MF Argentino venceu invicto o Troféu Roberto Castillo de Xadrez Internacional


Como diria o mito e lenda do xadrez santanense e gaúcho – “Mestre é mestre, ninguém atinge este nível e status por acaso!”. Assim, com poucas palavras Valmir Souza adjetivou o desempenho do mestre FIDE argentino Cláudio Fucek que venceu o Torneio Dia do Trabalho nas dependências do Bobby Fischer Xadrez Clube de Sant’Ana do Livramento neste feriado 1º de maio.

Souza tem currículo, credibilidade e cacife para dar esta afirmação – uma vez que é tri-campão gaúcho e figura entre os grandes enxadristas gaúchos há muitos anos.

A tarde deste feriado mundial foi especial para os praticantes do esporte ciência e ginástica da inteligência. A sala vip do BFXC e o rol de entrada ficaram pequenos para o grande número de enxadristas da Argentina, Uruguai e Brasil que tiveram o privilégio de conhecer um jogador profissional.

No intervalo das rodadas a gurizada dos colégios que compareceram em massa – buscou tirar fotos conversar não só com o mestre argentino – mas com outros tantos grandes expoentes do xadrez internacional, local e gaúcho.

Continue Lendo


Do lado uruguaio os assediados foram o fenômeno e multi-campeão departamental Diego Pelaez (foto ao lado esquerdo), a revelação riverense Júlio Lito, o campeão de Rivera Chico

Félix Maidana e os montevideanos Oscar Rodrigues, (foto na direita) que recentemente recebeu uma homenagem quase que póstuma – e o atual ídolo riverense e homenageado Roberto Castillo (foto ao lado).


Já os brasileiros não ficaram atrás. A cada intervalo eram procurados para explicar como tinham aprendido a jogar daquela forma com destaque para o sempre gentil e atencioso Valmir. Pablo Lara (Ao lado na direita) e o ‘Robin dos pampas’ Tiago Braz também não tinham folga(ao lado de camiseta preta).

No entanto um personagem era desconhecido para os demais. Jamais o vira sua foto nos jornais, nas emissoras de televisão ou ouviram sua voz em alguma rádio. O mistério era grande.

Mas na verdade quem seria aquele sujeito que parecia estar fazendo anúncio e marketing de creme dental, pois não escondia nunca seus salientes dentes brancos. Sua boca escancarada de orelha a orelha o tornava um personagem difícil de passar incógnito. E se fosse o Silvio Santos. Talvez, mas só se estivesse muito acima do peso. Logo o mistério foi revelado. A organização anunciou a nobre presença do campeão municipal de Bagé, Ignácio Marrero. A partir daí nem ele se livrou da tietagem. Aí sim ele ficou que era só sorriso. Não obstante no momento de extrema concentração ele demonstrava ser um sujeito sisudo e muito sério conforme a foto ao lado.

Marcado que estava para iniciar às 14 horas o Troféu Roberto Castillo de Xadrez Internacional começou a ser disputado no exato momento do protocolo.

Sem muitas surpresas a primeira rodada ocorreu dentro do esperado. Fortes vencendo os fracos. E, a partir daí sempre iriam se enfrentar vencedores contra vencedores e vencidos contra vencidos. Assim é o mecanismo do sistema suíço disputado nas competições de xadrez com alternância do comando das peças – ora de brancas, ora de negras.

Desta forma a competição sempre fica nivelada pelo topo da pirâmide hierárquica. E, à medida que se avançam as rodadas as primeiras mesas recebem, sempre, os jogadores de maior quilate. É quase nula a possibilidade de um enxadrista de pouca expressão e que esteja com pontuação baixa que tenha o privilégio de jogar no chamado ‘aquário’ que, em última análise – é o seleto e privilegiado local onde os mestres se enfrentam. Em geral vai da cobiçada mesa 01 até a seis. Sendo que todo sonho e objetivo de um enxadrista é jogar na mesa 01.          Veja na foto ao lado como esta mesa é assediada. É nela que acontecem as grandes e melhores disputas.

É dispensável que se diga que o Mestre FIDE Cláudio Fucek foi o soberano e anfitrião indigesto no e da mesa 01. Ali sentou e não mais saiu. Errado saiu sim – durante os intervalos das rodadas onde era assediado pelos escolares e ‘tietado’ até pelos enxadristas da categoria superior. No entanto – por mais que se esforçassem ninguém conseguiu causar qualquer tipo de preocupação a ele. Fucek venceu todas as sete partidas com a mesma tranqüilidade de sempre. Jamais se negou a explicar os possíveis erros der seus adversários logo após as partidas encerradas. Este fato lhe conferiu uma popularidade acima do usual e uma admiração geral, pois nunca se negou a compartilhar seus conhecimentos.

Classificação Final. Após sete rodadas – o sol estava se declinando no horizonte quando os vencedores receberam seus prêmios dos apoiadores SESI, Provedora de internet Via – Expressa, Secretaria de Turismo e do Bobby Fischer Xadrez Clube. Os três primeiros da categoria geral receberam troféus e até o décimo medalhas.

Antes, porém, o representante de Bagé pediu a palavra e fez questão de agradecer a comenda de honra ao mérito ele afirmou durante a cerimônia de encerramento: – “Minha viagem até aqui já valeu a pena – não só conheci o mestre argentino como joguei com ele e ainda recebi orientações – me sinto um homem realizado por isso! Sou agradecido e feliz por ter conhecido o amigo e jornalista Pedro Nicola, se não fosse por ele dificilmente eu teria uma oportunidade dessas”, afirmou Ignácio Marrero que mostrou toda sua desenvoltura nas palavras e prosseguiu… “Mas daí ser cercado por estudantes e ter que tirar fotos e dar explicações das atividades do xadrez em minha terra – há isso sim, é coisa inédita para mim, só acontece aqui pelos pagos de Livramento”!

Veja como ficou a Classificação:

Clique para ampliar…

Continuação, clique para ampliar…

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *